Sinestesia

Sinestesia

Ouvir cores e pintar sons ? Seria realmente possível ? Buscando na literatura sobre esse fenômeno nos deparamos com a chamada “sinestesia”. Trata-se da mesclagem de sensações, da alteração na percepção que o estímulo de um sentido provoca, simultânea e involuntariamente, a sensação em outro. Segundo o neurologista Richard E. Cytowic (professor da Universidade George Washington), há poucas referências importantes sobre sinestesia durante a maior parte do século XX, principalmente pela tendência dos cientistas considerarem o relato de sensações algo subjetivo e pouco confiável para sustentar uma pesquisa empírica. E até pouco tempo atrás não havia testes ou exames capazes de comprovar que a sinestesia não era mera trapaça ou fantasia.

As sinestesias mais estudadas são as transposições entre cores e grafemas, em que o indivíduo vê letras e números como coloridos, sempre em cores fixas; e sinestesias áudio-visuais (ou cromestesia), em que se vê cores ao ouvir determinados sons. Esse último é o caso do expressivo Vincent Van Gogh e da norte americana Melissa McCracken, de 26 anos, artista plástica que usa canções como estímulo para transformá-las (quase que literalmente) em pinturas – na imagem acima, “All I need – Radiohead” foi a música estimulante.

Existem mais de 60 tipos diferentes de sinestesia relatados – a condição afetaria cerca de 4% da população mundial, segundo Dr Richard, e em variados graus. Em seus estudos, apesar de haver relatos sinestésicos em muitos pacientes portadores de distúrbios mentais, experiências sinestésicas não são prenúncio de que haverá algo além da própria experiência em si.

Mas… qual seria a causa ? Ainda não se tem uma resposta definitiva, porém os principais estudos (como Ramachandran e Hubbard em 2003) apontam para um provável cruzamento de conexões (o “crossing wiring”) – em regiões cerebrais vizinhas, há geralmente uma inibição entre neurônios vizinhos de áreas diferentes, para minimizar-se o cruzamento de informações. Na sinestesia pode haver um desequilíbrio de neurotransmissores responsáveis por essa inibição.

Quer saber mais sobre o assunto ? Deixo aqui minha sugestão do site do neurologista Richard E. Cytowic, que tem um espaço maior dedicado ao tema : https://cytowic.net/

Leave a Reply

Your email address will not be published.